30 de junho de 2008

Crise Infinita Completa

Infinite Crisis (conhecida no Brasil como Crise Infinita) é o título de uma minissérie em sete partes publicada pela DC Comics entre Dezembro de 2005 e Junho de 2006. No Brasil foi publicada pela Editora Panini um ano depois, em sete edições mensais de Dezembro de 2006 a Junho de 2007. Escrita por Geoff Johns e desenhada por Phil Jimenez, George Pérez, Ivan Reis e Jerry Ordway e com cada edição sendo lançada com duas capas variantes: uma desenhada por Jim Lee e Sandra Hope e a outra por George Perez. A minissérie se apresenta como uma sequência à minissérie Crisis on Infinite Earths ("Crise nas Infinitas Terras", no Brasil), lançada em 1985 e conta o destino dos heróis sobreviventes do Multiverso: Superman e Louis Lane da Terra 2, Alexander Luthor da Terra 3 e Superboy da Terra Primordial.
A trama da minissérie teve início em 2003, com a morte de Donna Troy durante a minissérie Titans/Young Justice: Graduation Day, mas foi com o especial Countdown to Infinite Crisis, e as quatro minisséries lançadas na sequência que começou a auto-intitulada "contagem regressiva" para o evento.
Com a conclusão da série, a DC Comics deu início ao evento Um Ano Depois, na qual todos os títulos mensais foram avançados em um ano, permitindo mudanças drásticas entre os personagens. A maior parte dos eventos decorridos nesse período foi publicado na minissérie semanal 52, em que cada edição representa uma semana desse ano

PROJETO OMAC

                      

DIA DE VINGANÇA

                  

VILÕES UNIDOS

                   

O RETORNO DE DONNA TROY



DOWNLOAD
SHARED  OU  MEDIAFIRE

22 de junho de 2008

Novos Blogs


Devido a Grande diversidade de assuntos que eu publico por aqui e aqueles que gostaria de postar, resolvi criar outros blogs com temas mais específicos, são eles:

- SUPERTRAILLERS - Onde vai ser possível encontrar os mais interessantes traillers, principalmente relacionados aos personagens de quadrinhos.

- QUADRISEX - Blog dedicado á um conteúdo mais adulto. Onde vamos encontrar fotos das mais lindas gatas,além de diversas historias em quadrihos eróticas.

- MICROKOSMO - Para dar vazão à uma das grandes áreas do meu interresse, a Microbiologia. O objetivo deste blog e tentar apresentar os mais diversos assuntos relacionados relacionados a Microbiologia Médica (ainda em construção).

Como o vão ser quatro blogs, não vai ser possível mater o mesmo ritmo de postagens em todos eles, portanto a minha prioridade continua sendo o QUADRIDEKO, mas aguardo a visita e os comentários de todos nos outros blogs.

Para fazer uma visita, clique nos Banners

19 de junho de 2008

Ellen Cardoso

A dançarina Ellen Carsoso vai posou nua para revista Sexy do mês de Junho, a Mulher Moranguinho mostrou todas suas belas curvas e seus segredos em um ensaio nu para revista masculina.
O ensaio aconteceu em uma mansão em São Paulo , como no ensaio de Andressa Soares, não faltou a fruta que deu nome a beldade no Ensaio pra lá de sensual.

Esta Morena, de cabelos longos, pele bronzeada e com um quadril de 110 cm é a nova beldade da dança do Créu. A paulista de 26 anos entrou no grupo para substituir Andressa Soares, a Mulher Melancia, que decidiu seguir carreira como cantora. Além de ser dançarina e ter um bumbum avantajado como o de sua antecessora, Ellen também ganhou um apelido de fruta ao entrar no grupo: foi batizada de Mulher Moranguinho . Para saber mais, clique AQUI.

Espermatozoide Sofre....

17 de junho de 2008

Vida à Dois

,
"Quando o nosso cortador de grama quebrou, minha mulher ficava sempre me dando a entender que eu devia consertá-lo. Mas eu sempre acabava tendo outra coisa para cuidar antes: o carro, o computador, sempre alguma coisa mais importante para mim. Finalmente ela pensou num jeito esperto de me convencer. Certo dia, ao chegar em casa, encontrei-a sentada na grama alta, ocupada em podá-la com uma tesourinha de costura. Eu olhei em silêncio por um tempo, me emocionei bastante e depois entrei, em alguns minutos eu voltei com uma escova de dentes e lhe
entreguei. 'Quando você terminar de cortar a grama,' eu disse, 'você pode também varrer a calçada.' Depois disso não me lembro de mais nada.

Os médicos dizem que eu voltarei a andar, mas mancarei pelo resto da vida. '

'O casamento é uma relação entre duas pessoas na qual uma está sempre certa, e a outra é o marido... '

[Marcos Constâncio]

Observações

Recebi este texto por email, logicamente, enviado por uma mulher. O que me causa espanto é ter sido assinado por um homem ?? !!
Quero deixar bem claro que discordo vêementemente deste texto, mas .... pelo sim pelo não... é melhor consertar o cortador de grama...

15 de junho de 2008

Marvels

A Marvels foi um livro ilustrado limitado composto por quatro partes, lançado pela Marvel Comics em 1994. As histórias foram escritas por Kurt Busiek, ilustradas por Alex Ross e editada por Marcus McLaurin.
Ambientado do ano de 1939 a 1974, a série viaja por todo o rico universo da Marvel, mostrando a história de diversos super-heróis da Marvel a partir do ponto de vista de um fotógrafo chamado Phil Sheldon.
Na edição alemã de Marvels, Alex Ross e Kurt Busiek revelaram que, originalmente, todo o conceito era de apenas fazer uma coleção de histórias clássicas da Marvel Comics, do ponto de vista de pessoas normais. Mas como o projeto cresceu, os dois criadores sentiram que as questões sociais que minavam toda a história eram relevantes demais para serem ignorados.
De acordo com Ross e Busiek, o Marvels #1 lida com o progresso científico, sem deixar de lado a luta entre Tocha Humana e Namor; o Marvels #2 mostrava o medo do desconhecido com o X-Men; e o Marvels #3, que trazia o Galactus, lidava com a impotência. Os criadores não falaram nada a respeito dos temas do Marvels #4.
A série Marvels foi um sucesso, ganhando vários prêmios e responsável também por fazer a carreira de Busiek e Ross deslanchar.

14 de junho de 2008

50.000


Isso mesmo meus amigos, depois de um pouco mais de um ano de existência o Quadrideko chega a expressiva marca (pelo menos , para mim) de 50.000 acessos. Eu que comecei este blog de maneira despretenciosa, esta marca é bastante significativa, quer dizer que tem mais alguém que ler aquilo que publico por aqui. Agradeço a todos aquele que colaboraram para para que este número tenha sido atingido e espero que todos continuem acessando pois irei tentar colocar post cada vez mais interessantes por aqui. Um Abraço !

10 de junho de 2008

Crise de Identidade

Crise de Identidade é uma mini-série em sete edições publicada originalmente pela DC Comics no ano de 2004 nos EUA.
Escrita por Brad Meltzer e desenhada por Rags Morales, foi um dos títulos de maior vendagem na editora na época, sempre aparecendo entre os dez gibis mais vendidos.
A série atraiu enorme controvérsia ao inserir retcons (novas informações no passado dos personagens) que mudavam vários aspectos da história da DC na Era de Prata dos Quadrinhos.
Enquanto alguns a consideram uma série sensacionalista, que apenas tentou adicionar modernidade e dramaticidade à personagens antiquados, muitos a consideram uma obra-prima da história dos quadrinhos, que mostra o quão atuais os super-heróis da DC podem - e devem ser.
O universo DC é chacoalhado pelo assasinato de Sue Dibny, esposa do Homem Elástico (Ralph Dibny). Ele, juntamente com Arqueiro Verde, Canário Negro, Zatana e Gavião Negro iniciam uma caçada obsessiva ao Dr.Luz.após a morte de SUE, é revelado que, após o vilão Dr. Luz ter cometido um ato aterrador, durante anos um grupo de heróis vinha apagando as memórias dos malfeitores que porventura descobrissem as identidades secretas deles. O próprio Dr. Luz sofreu uma espécie de lobotomia mágica nas mãos da feiticeira Zatanna, tornando-se um verdadeiro pé-de-chinelo. A partir daí há uma grande discussão sobre ética super-heróica e até onde é preciso ir para proteger aqueles que se ama e qual o verdadeiro peso de se usar uma máscara. Esse mistério é revelado ao Flash (Wally West) e ao Lanterna Verde (Kyle Rayner) pelo próprio Ralph Dibny:certa vez, quando a Liga estava em missão, o Dr.Luz apareceu no QG da equipe (que na época era um satélite) para recuperar sua arma, que estava em posse dos heróis. Ao encontrar Sue sozinha no QG, ele acaba por violentá-la.
Logo em seguida,os heróis aparecem e num surto de raiva, espancam Dr .Luz, para em seguida tomarem a difícil decisão de lobotomizar o vilão. Durante a minisérie revela-se que o Dr.Luz não foi o uníco personagem a ter a mente modificada pela Liga: Batman havia voltado ao satélite após o incidente e presenciado a operação no Doutor Luz. Temendo que ele revelasse o segredo a outros heróis,como Superman, os membros presentes decidem, após apertada votação, apagar aquele momento da sua mente.
A minisérie gira em torno de quem seria o assassino de Sue Dibny,que ao decorrer da história faz outras vítimas: Jack Drake, pai do Robin (Tim Drake), e o Capitão Bumerangue, um antigo vilão do Flash, que deixa o cargo para seu recém descoberto filho, Owen Mercer.
Após uma longa investigação, o Batman e o Dr.Meia-noite concluem que o assassino era Jean Loring, ex-esposa do herói Eléktron (Ray Palmer).
Jean havia encontrado o antigo uniforme encolhedor do herói. Ela usa o uniforme enquanto falava no telefone com Sue, utilizando-o para atravessar a linha telefônica e entra no cérebro da moça. A presença microscópica de Jean no cérebro acaba por causar um AVC em Sue, matando-a. Ao retornar ao tamanho normal, Jean percebe o que fizera, e incinera o cadáver.
Ao ser descoberta por seu ex-esposo Ray, Jean explica que tinha apenas a intenção de derrubar Sue e com isso, incutir a idéia nos Super-Heróis de que seus parentes corriam risco. Com este plano, pretendia que Ray desse-lhe mais atenção. Jean pareceu não sentir remorsos, alegando que com a morte de Sue, percebeu que os heróis buscavam suas famílias, e assim acabou cometendo outros assassinatos para que seu ex-marido se reaproximasse dela( o que realmente aconteceu).
Jean então é internada no Asilo Arkam. Ray Palmer, envergonhado, resolve sumir por uns tempos.
No final de tudo, resta a dúvida se Batman lembra ou não do acontecido no satélite com o Dr. Luz e com ele próprio. O futuro dirá.

Fonte : Wikipédia
Para baixar clique nas capas
 Link Alternativo

4 de junho de 2008

CQQ 17 - Watson Portela

Super Herois Brasileiros por Watson

Watson Portela nasceu em Recife, Pernambuco, a 18 de outubro de 1950. Watson é um dos grandes desenhistas nacionais que possuem um trabalho consistente. Foi um dos primeiros brazukas a se destacar no cenário quadrinístico da década de 80, em meio a hegemonia do gênero super heroístico “enlatado” Americano. Seu trabalho mais conhecido do grande publico é o álbum Paralelas e Vôo Livre. Watson iniciou seus trabalho em fanzine e mais tarde teve sua arte publicadaem diversas editoras como a Vechi, Graphipar, Abril e outras.


Sua primeira obra profissional foi uma HQ histórica para a Ebal de Adolfo Aisen, que jamais foi publicada. Em 1979, publicou em Spektro, da Editora Vecchi. Então não parou mais. Fez terror, erotismo, western, humor e super-heróis para Grafipar, Press entre outros . Watson era um fenômeno nas artes-gráficas brasilis. Dono de traço ímpar! Seus desenhos fizeram a cabeça de toda uma geração. Foi o papa do quadrinho de ficção brasileira dos anos de 1980. Logo, foi contratado pela Editora Abril. Passou a desenhar Trapalhões, Disney, He-Man e ... Jovem Radical.

Cronologia do artista

1971 - produz uma unica edição do faroeste "O Águia", escrito por seu irmão, o jornalista Wilde Portela.Ilustra capas e artigos no supremento infantil "Junior", do "Diário de Pernambuco".
1972 - Começa no mesmo jornal a traçar cartoons e quadrinhos de temas históricos e em seguida passa a fazer bicos em publicidade e ilustrações.
1974 - Participa do salão de humor do Canadá.
1976 - Produz a Capa do LP e a cenografia do grupo "Quinteto Violado". Neste período produz três historietas curtas de terror para a editora Taika, que não chegaram a ser publicadas chegando a serem extraviadas da redação da editora.
1977 - Produz para a editora Ebal "O Caçador de Esmeraldas" e a "Vida de Napoleão", que permanecem inéditos até hoje.
1978 - Muda-se para o Rio de Janeiro e começa a produzir para a editora Vecchi, Chet, e historias curtas de terror. É nesta época que começa a transparecer a influência da Ficção científica em seus trabalhos e produz a primeira de suas obras primas "paralela", publicada na revista "Spektro" da editora Vecchi.
1980 - Muda-se para Curitiba onde passa a colaborar para a editora Grafipar, produzindo desde ficção até quadrinhos eróticos assinados com o pseudônimo de Barroso. É desta época que nascem várias histórias memoráveis como "Xanadu", "Robô Gigante", "Supergay" e o faroeste dramático "Rex".
1982 - Desenha para a editora RGE três edições do faroeste "Colt 45". No mesmo ano é publicado em revistas na França.
1983 - Volta a Recife e colabora com a editora Ondas, publicando várias histórias autorais nas 5 edições da revista "Inter Quadrinhos".
1984/1985 - Vem para São Paulo e colabora com a Press editorial, produzindo várias obras como " O Cão do Inferno", "O Machado" e "O Alienígena".
1986 - Morando em São Paulo e em prena produção, é publicado seus dois primeiros álbuns solo, "Paralelas" e "Entidade Zero".
1987 - Passa a trabalhar na editora Abril e desenha desde He-Man, revista do Gugu e heróis japoneses de live-action que estavam na moda.
1988 - Produz juntamente co Primaggio, o projeto "War-Man" para o grupo Pão de Açucar, desenhando posters e quadrinhos para uma revista de distribuição gratuita. Produz ainda na editora Abril a revista As Gatinhas tendo apenas duas edições e publica na revista Aventura e ficção algumas hqs autorais.
1989 - Assim que sai da editora Abril, produz para a editora Vidente algumas hqs de ficção para a revista Pau-Brasil e é lançado pela mesma editora a mini série em quatro edições Paralelas.
1990 - Enfrenta alguns problemas familiares e volta para Recife onde permanece durante uns 10 anos somente produzindo para fanzines.
2002 - Em um breve retorno ao circuito comercial lança pela editora Ópera Grafica dois maravilhos álbuns, "Paralelas II" e "A Última Missão".
2003 - Deixa de lado as editoras tradicionais e publica seu próprio fanzine, o "Fanzine Paralelas", onde produz quadrinhos autorais e resgata antigas obras.

Entrevista feita por Giovanni Voltolini em 27 de abril de 1982, em Curitiba.
GIOVANNI: Como foi seu início nos quadrinhos?
WATSON: Comecei no Diário de Pernambuco fazendo algumas tiras para o Suplemento de sábado, fiz também quadrinhos em publicidade e depois de algum tempo fiz uma revista com roteiros de meu irmão Wllde. Uma revista chamada ÁGUIA com histórias de guerra. Preparamos toda a revista para ser impressa em Arapiraca, totalmente em clichê, mas ela não saiu.
GiOVANNI: Quando você começou a publicar nas editoras?
WATSON: Eu mandei meus trabalhos para todas as editoras do Brasil, mas só recebia negativas. O primeiro que aceitou meu trabalho foi o Aizen. ele gostou e encomendou o Caçador de Esmeraldas que não foi publicado até hoje, em seguida fiz um trabalho para a Vecchi que comprou logo de cara. Depois de um certo tempo o editor da época, o Otacilio, me convidou para ir ao Rio de Janeiro, fui e fiquei. Cheguei a produzir para a Ebal uma HQ sobre a vida de Napoleão Bonaparte, mas também não foi publicada. A partir daí comecei a trabalhar para a Vecchi.
GiOVANNI: Você tem material inédito em outras editoras?
WATSON: Antes da Vecchi e da Ebal. havia mandado para a Ed. Talka, que encomendara um material, 2 ou 3 histórias. mas não publicaram e não recebi os originais até hoje. Não tenho nem cópias deles.
GIOVANNI: Você fica com todos os seus originais?
WATSON: Eu tenho pouquíssimos originais, porque a maioria sumiu, uma parte eu dei, e a outra ficou nas editoras. A Vecchi mesmo tem uma porção de originais. As editoras não dão nenhuma atenção aos originais depois de publicados. Jogam num canto e acabou. Na Grafipar a gente não tem esse problema, porque os originais são sempre devolvidos. (N. do E. a PRESS também devolve os originais).
GIOVANNI: Você usa algum pseudônimo?
WATSON: Meu nome é Watson Portela, mas assino Watson ou Barroso que é o sobrenome de minha mãe.
GIOVANNI: Quantas páginas você já chegou a fazer em um dia?
WATSON: Já cheguei a fazer 20 páginas com roteiro, lápis e nanquim. Agora, só a lápis fiz mais de 30 páginas.
GIOVANNI: Não é um ritmo muito puxado?
WATSQN: O trabalho é muito comercial, prefiro fazer uma única página mais bem transada, por dia, por que eu curto o que eu faço, adoro minha arte e por isso vou sempre procurando evoluir. Vivo aprendendo diariamente.
Capa errôneamante atribuída a`Watson
GIOVANNI: Qual o roteirista nacional que você mais gosta?
WATSON: Eu gosto muito do Julio Emilio Braz que faz muita coisa boa, agora não puxando, o melhor é meu irmão Wilde.
GIOVANNI: Como você gosta de receber os roteiros que você quadriniza?
WATSON: Prefiro um rafe (esboço) que me deixa mais a vontade.
GIOVANNI: Como você faz uma HO?
WATSON: Primeiro eu pego um bloco de papel e um lápis, e fico sentado na cama, vendo televisão, e procurando inspiração, quando pinta o estalo começo a escrever, faço a história à noite entre 7 e 10 horas e no dia seguinte começo a desenhar, desenho direto esboçando de uma vez só e depois passando tinta.
GIOVANNI: Qual de suas HO que você mais gostou de fazer?
WATSON: Bom, a história não é propriamente mInha, era uma cópia de uma americana, mas foi o trabalho que eu mais gostei, é a HQ “Uma Alma para o Demônio” que foi publicada na revista Pesadelo da Vecchi.
GIOVANNI: Quais os desenhistas que influenciaram sua carreira?
WATSON: No começo foi Jack Kirby, atualmente é o Giraud. Acho que ele é o maior de todos os desenhistas. Entre os nacionais quem eu gosto pacas em primeiro lugar é o Shima, acho ele incrível, segundo, o Colin, que tem um estilo totalmente diferente, moderno, que eu gosto muito e ainda o Mozart e o Ofeliano.
GIOVANNI: Dos quadrinhos internacionais o que você mais gosta?
WATSON: Gosto do estilo europeu, leio o Asterix, o Tintim que acho muito cinematográfico e como não podia deixar de ser o Giraud. Sou fã do Salinas, principalmente do Cisco Kid. Quanto aos Super-heróis gosto dos X-Mens, do Quarteto Fantástico e do Demolidor de Frank Milier.
GIOVANNI: O que você mais curte dos Super-heróis nacionais?
WATSON: Um dos que eu mais curto é o Raio Negro do mestre Gedeone. O que mais me atrai é a simplicidade do trabalho, da história, o traço limpo, a narrativa objetiva. Agora fugindo dos Super-heróis tem muita coisa boa no Brasil e posso citar duas delas: o Lobisomen e a Múmia com roteiros do Gedeone e traços do excelente Sergio Lima de quem sou admirador.
GIOVANNI:Porque você capricha mais nos trabalhos para os fanzines como a HQ para a Historieta e a capa para o Universo?
WATSON: O trabalho depende muito do clima. Quando estou fazendo para uma editora, estou pensando na grana, no prazo; no fanzine não, eu geralmente me proponho a fazer, faço com carinho, sei que o cara não tá cobrando, não vai pedir nada. um trabalho que eu gosto de fazer.
GIOVANNI: Fale sobre seu trabalho com HQ erótica?
WATSON: No começo eu ficava meio chateado em fazer, mas hoje acho um material normal, mas faço por sobrevivência.
GIOVANNI: Como todo desenhista de quadrinhos você gosta de cinema, que tipo de filme você curte?
WATSON: Os filmes que eu curto são da linha de ficção ou faroeste, filmes como Superman, Alien, Guerra nas Estrelas, Caçadores da Arca Perdida e o E.T. que eu assisti umas 20 vezes, ele tocou fundo na minha sensibilidade.
GIOVANNI: Como leitor de HQ o que você sente falta quando vai nas bancas hoje em dia?
WATSON: Sinto falta do formatão que publicava a Ebal, aquelas séries do Batman, Flash, Gavião Negro, hoje além dos formatinhos não tem mais nada.
GIOVANNI:Fale um pouco sobre a influência da música no seu trabalho?
WATSON: Eu só consigo desenhar ouvindo música. E o meu estúdio também tem que estar cheio de plantas e brinquedos. Tenho uma coleção de brinquedos e gibis, só assim eu me sinto bem e crio um clima para pintar as idéias.

O fato é que Watson Portela foi e continua sendo um dos ícones da arte Brazuka, provando que os fãs de quadrinhos não precisam ficar restritos aos produtos das grandes editoras americanas.
Atualmente não se tem muitas noticias do paradeiro no Watson, parece qua atual mente se encontra em recife dando aulas em uma escola de desenho e fazendo trabalhos esporádicos para publicidade.

Fontes :
http://www.angelfire.com/zine2/paralelas/
http://www.operagraphica.com.br/a_bio/a_bio_watsonportela_01.htm

Este post faz parte da edição 17 do Carnaval de Quadrinhos das Quarta, cujo o tema foi foi Artistas Nacionais. Para ler sobre outros artistas visitem os Blogs participantes :
O News Errado comentou sobre Caco Galhardo
A Toca do Calango falou sobre Edgar Vasques
O Blog do Hiroshi escreveu sobre Maurício de Sousa
O Blog do Gusta postou sobre Emir Ribeiro

3 de junho de 2008

Wikipédia Brasileira dos Quadrinhos


Numa seqüência muito bem sucedida, foram criados o blog carnival Carnaval dos Quadrinhos das Quartas, sua respectiva Comunidade no Orkut e a Liga dos Super-Blogueiros. Institutos voltados para a divulgação de quadrinhos na blogosfera. Pois bem, em mais um desdobramento desta seqüência, surge agora a Wikipédia Brasileira dos Quadrinhos ! Trata-se de um wiki, um espaço virtual para construção coletiva de material. Ou seja, assim como a Wikipédia que todos já conhecemos, você leitor deste blog pode entrar nesse wiki e escrever artigos sobre quadrinhos, alterar/complementar artigos já existentes e, desse modo, ajudar a construir uma grande enciclopédia virtual brasileira sobre quadrinhos do mundo todo. Os artigos já escritos no Carnaval dos Quadrinhos das Quartas poderão ser aos poucos transpostos para essa enciclopédia, mas o próprio CQQ não deixará de existir. Afinal ele é uma proposta única e foi o grande inspirador dessa wikipédia de quadrinhos. A proposta, então, é construirmos juntos, blogueiros e leitores de blogs de quadrinhos, essa Wikipédia Brasileira dos Quadrinhos para que possamos ter uma fonte permanente de consulta online. Assim, quando quisermos lembrar como foi a origem de um ou outro personagem, detalhes sobre quadrinistas, ou mesmo técnicas sobre roteiro e outras coisas afins sobre quadrinhos, bastará ir à nossa wikipédia de quadrinhos. Portanto, faço o convite a todos que gostam de quadrinhos:
Visitem a Wikipédia Brasileira dos Quadrinhos e comecem a editá-la ! Será um ótimo trabalho conjunto!

Batman - Mestre do Futuro


CLIQUE NA CAPA