18 de março de 2008

Organização X - 2

Arte : Mosca
Organização X
Arco 1: Admirável Mundo Mutante Novo
Parte 2 de 4 – Empresa gênica

“Senhor Black, as Empresas Bay firmaram um patrocínio com Greenpeace recentemente, no que se baseia isto?”

Adam Black está confortável na frente dos milhares de reportes mundiais na sua primeira coletiva pelas Empresa Bay, a maior do continente Oceânico.

“Bem senhorita Tilby, diferente das suas indústrias americanas, nós australianos nos preocupamos em deixar algo para as gerações futuras.” Ele dá um discreto sorriso ou ver a cara de indignação de reporte americana. “A ONG Greenpeace já provou em mais de uma ocasião que é uma instituição respeitável e ouvida em todo mundo, analisamos vários projetos antes de assinar o patrocínio. Um dos pontos básicos para a aceitação do projeto é o que chamamos de proteção sustentável, ou seja, as comunidades, que de certa forma são lesadas com a proteção, aprendem a se sustentar através de meios ecologicamente corretos.” Confiança, autocontrole e charme, não é atoa que ele é o porta-voz da empresa. “Mas alguma pergunta Tilby?”

“Não, obrigada...”

Assim que ela senta várias mãos se levantam esperando serem chamados.

“Por favor, senhores, já se passam das 22:00, essa será a ultima pergunta...” Adam Black sorri ao ver o alvoroço causando pelo comentário, mas seu sorriso some ou ouvir uma doce e poderosa voz.

“E quanto aos mutantes?!” Tinha que ser, ela ficou quieta durante toda a entrevista coletiva, apenas ouvindo e anotando. Sim Mimi Jackman sempre guarda o melhor para o final.

“O que tem os mutantes, senhora Black?”

Todos os repórteres ficam quietos e olham para pequena mulher. “É senhorita Jackman agora...” Claro como ele podia ter se esquecido que eles se divorciaram menos de um mês. “Eu queria saber qual é a posição das empresas Bay quando a proposta de lei que será votada daqui a três dias.”

“A senhorita Jackman esteve estar falando da lei 1549/05 que diz que toda indústria e/ou empresa que fizer pesquisas para a cura da mutação terá um abatimento no imposto de renda... Bem o assunto só será discutido após a votação... Preferimos não ficar discutindo assuntos que ainda não existem.” Ele olha profundamente nos olhos dela, ele sentia falta daquele olhar corajoso “Se isso é...”

“O que pensa os mutantes que trabalham para a Bay?” Ela fala sem esperar Adam terminar. “Porque possivelmente a maior empresa da Austrália, que emprega 3 em cada 10 habitantes desse país deve ter milhares de mutantes trabalhando para ela.”

“Os nossos empregados são sempre a nossa prioridade... A entrevista está terminada.”

-x-x-x-

Casa, tudo que Adam quer agora é ir para sua casa, tomar um bom banho e dormir. Claro que desde o dia que sua adorável ex-esposa o fez sair de casa não consegue dormir direito, e ainda por cima hoje ela resolveu aparecer na sua entrevista coletiva e colocar ainda mais preocupações na cabeça dele.

“Droga Mimi, você podia fazer isso por telefone e não na frente de milhares de pessoas que assistem a essa merda de coletiva todos os anos.” Ele fala enquanto encosta a cabeça na porta do elevador, esperando chegar na garagem.

Mas o que ele pode fazer, ele sabe muito bem ela pode ser a fúria em pessoa quando quer. “E não foi isso que me fez ficar apaixonado por ela no primeiro dia que eu a vi na sala de treinamento...” A voz metálica do elevador anuncia que ele chegou ao subsolo. Ele arruma o cabelo esperando as portas abrirem... A qualquer momento agora elas vão se abrir... Alias já tinham que ter aberto há muito tempo, não?

“Primeira aula básica...” Ele fala enquanto a sua mão gera uma bola de energia. “Esteja sempre preparadoooooooooooooooooo.” Ele fala quando alguém o puxa por traz fazendo-o cair no meio de uma sala escura. “Seja quem for eu tenho que avisar que pegaram o homem errado, sou só um funcionário e não o dono das empresas Bay... Eu sei que aparento ter sucesso, grana e milhares de mulheres a minha volta...”

“Que milhares de mulheres a sua volta são essas?” A voz de Mimi ressoa na sala.

“Mimi? Que foi? Não basta ter se divorciado de mim, ter levado metades das minhas coisas e ainda por cima quase arruinar a minha entrevista coletiva, você ainda me seqüestra?”

As luzes da sala se acendem e ele sabe perfeitamente onde ele está. A sala de conferencia da sede australiana da Organização X. “Certo agora sei que eu estou com problemas... Vocês realmente não entendem o significado da palavra demissão, não é Mimi?... Ou melhor, Fúria.”

Mimi Jackman, ou Fúria, líder de equipe da base australiana, está vestindo o seu uniforme preto com detalhes vermelhos, ao lado dela estão mais duas pessoas, que até o momento Adam não tinha percebido.

“Ela entende bem até demais, Energia, mas teve que obedecer ordens”

A voz masculina faz Adam perceber as outras duas pessoas na sala. “Realmente eu devo ter feito algo muito grave para que dois X-Premier viessem aqui pessoalmente... Isaac Sharon e Latifa Said... Ou preferem ser chamados de Pesadelo e Portal?”

Portal e Pesadelo trocam olhares antes dela ter a iniciativa de se sentar ao lado de Adam para conversar. “Não é a toa que você e Seiya sejam tão amigos, Energia...”

“O nome é Adam... E Hacker sempre foi a única pessoa a entender o meu senso de humor...”

“E você o dele...” Reponde Pesadelo se aproximando de uma tela, com o Cd nas mãos. “Mas precisamos de sua ajuda.”

Porra, eles não entendem não é? Simplesmente não entendem!... Trabalhar para Bay deu a ele a oportunidade de ajudar a milhares de pessoas de uma forma que não coloca a sua vida em risco. “Vocês não se cansam de bancar os super-heróis o tempo todo?... Não basta os anos de treinamento, as missões arriscadas, o fato de vocês ficarem com a minha esposa? Vocês ainda querem mais?!... Não bastou Mimi quase morrer e ter perdido o meu filho?!”

“Adam...” Mimi se aproxima do ex-marido segurando as mãos dele. “Isso já tem mais de um ano você tem que superar.”

“Como posso superar se foi por isso que você se afastou de mim...”

“Você acha que foi por isso? Adam eu...”

“Fúria...” Pesadelo fala colocando o disco no aparelho. “A gente precisa falar com ele... Poderia nos dá licença?”

Fúria levanta e deixa os três na sala que fica silenciosa por alguns segundos.

Portal coloca uma das mãos no ombro de Adam. “Todos nós sentimos muito pela perda... Todos... Mas eu quero que você pense no futuro de milhões de crianças mutantes nesse momento.”

Pesadelo ainda de costas para o outro dois também fala. “Quais as chances de você ter um filho mutante, mesmo casando com uma pessoa não mutante? 50%? 30%?... Vai por aí, não é... Agora imagine se você e Mimi perceberem a idiotice que fizeram ao se divorciar e voltarem a ficarem juntos... A porcentagem sobe muito, não é?”

“Se vocês estão falando da lei, não há nada que a gente posso fazer...”

“Energia... O que você sabe sobre as empreas Bay?” Portal pergunta olhando para o chão.

“Não... Não não não... Latifa essa empresa ajuda a milhares de pessoas no mundo todo, é a única que aceita mutantes, sem fazer distinção... Vocês não estão achando que...”

O som vindo da tela interrompe a fala de Adam. Portal e Pesadelo não precisam falar nada, as imagens falam por si. São teste, feitos em pessoas, feitos em mutantes, ou como eles classificam na fita mutanas. Vários deles injetados com uma espécie de soro, os resultados são variáveis, uns morrem na hora, outros demoram, lentamente vão morrendo enquanto o sangue vai escapando pelos seus poros. São 20 minutos de imagens ao todo.

Adam se levanta e corre para o banheiro mais próximo antes de vomitar tudo aquilo que ele comeu hoje. Crianças, tinham crianças no meio, e agora, parando para pensar nas imagens, alguns rostos são conhecidos, mas de onde?... Não, não pode ser...

“Adam...” A voz de Portal o tira do seu transe. “Você está bem?”

“Onde vocês conseguiram?”

“Hacker... Ele conseguiu fazer alguma coisa com a memória de um dos droids que destruímos na Antártica há um ano atrás... Digamos que ele entrou no sistema da Fundação e descobriu duas empresas ‘testa-de-ferro’ dela... Uma delas é a mineradora Whitney, na África do Sul e a outra...”

“Empresas Bay...”

“As pessoas nos testes são, foram funcionários ou parentes de funcionários... E é ela também que está bancando o loby para que a lei 1549/05 seja aprovada... A fundação está fazendo tudo isso.”

“O que era aquilo que eles estavam testando?”

“Uma droga, para reverter a mutação... Só que como você percebeu, o organismo rejeita isso.”

“Qual o plano?”

“Bem...” Pesadelo fala jogando o antigo uniforme de Adam perto dele. “Primeiro você para de sentir pena de você mesmo, lembra que é um homem e se levanta desse chão... Depois vai nos ajudar a andar nas empresas Bay.”

“Pesadelo alguém já disse que você é um completo idiota?”

“Já, mas o que vem de baixo não me atinge. Agora levanta-se e vamos. Temos que destruir todos o estoque deles, e libertar algumas pessoas presas... E fazer isso a tempo da noticia sair na capa de todos os jornais amanhã.”

-x-x-x-

Um portal de luz aparece na sala de Adam Black, por eles saem três pessoas.

“Bem a minha sala fica no terceiro andar, como eu disse antes os laboratórios ficam no ultimo andar, mas possivelmente eles não colocariam algo tão ilegal lá... Eu já entrei lá varias vezes e não vi nada... Então...” Ele liga o seu computador.

“Não sabia que você também fazia isso...” Fala Portal surpresa.

“Minha cara, não se passa férias juntos com o Seiya sem aprender pelo menos como derrubar um firewall... Mas admito que periferia que fosse ele... Por que ele não veio?”

“Ele tá nesse exato momento na África do Sul...”

“Com a Natureza?”

“Não Ave-de-luz... Natureza está no Brasil com Joseph”

Energia para no mesmo momento e olha para Pesadelo. “Isso explica muita coisa...”

Pesadelo responde a com um olhar sinico. “Explica o que?”

“O mal humor de...” Um janela se abre no computador. “Ei que isso aqui?”

Qual a diferença entre um tamanduá bandeira e uma mulher?

“Isso é algum tipo de senha?” Pergunta Pesadelo

“Não faço idéia, é a primeira vez que eu vejo isso...”

“Homens...” Portal fala pegando o teclado.

Hacker isso não é hora pra brincadeiras!

Ahhhhhhh Portal... eu só queria saber se os meninos sabiam a resposta. T.T

“Me dá isso aqui!” Energia pega novamente o teclado

Japonês filho de uma puta... Você não devia estar em missão na África?

Isso pisa, humilha, cospe em cima daquele que te protege, edá carinho e está evitando que vocês sejam gravados pelas câmeras de segurança... Por falar nisso será que vocês podiam olhar para esquerda de vocês e dar um tchauzinho? ^_^

Os três se viram para esquerda sem perceber nenhuma filmadora, só uma estante de livros.

“Eles estavam me filmando o tempo todo?”

“Possivelmente já sabiam que você era mutante...” Responde Portal.

Pesadelo pega o teclado e escreve

Hacker você pode nós disser onde fica o lugar que estamos procurando?

Hum... Esse prédio consome mais energia que os demais, os cabos dão muitas voltas, mas, Sim subsolo... Abaixo do estacionamento... Muita energia se desloca para lá... Agora é melhor vocês irem logo, estão atrasando o meu trabalho e vocês sabem como Ave-de-luz fica quando atrasam o trabalho dela. ¬¬’ Mas podem ir, eu dou cobertura na área visual para vocês.

Pesadelo se dirige a porta. “O que vocês estão esperando?”

-x-x-x-

Um guarda olha atônito quando uma porta de luz se abre na frente dele, ele chega a apontar a arma ao ver a sombra de três pessoas, mas um bola de energia derruba-a de sua mão.

“Quem... Quem são vocês?...” O segurança pergunta gaguejando.

Rapidamente um bando de aranhas começa a subir pelas suas pernas. Ele perde o equilíbrio e cai no chão se debatendo enquanto as aranhas cobrem cada centímetro do seu corpo. “Tirem elas daqui!!! TIREM ELAS DAQUI!!!!” Quando mais ele se debate mais aranhas aparecem, a respiração dele começa a falhar e ele entra em estado de pânico, desmaiando.

“Por que tantas pessoas têm medo de aranha?” Pergunta Portal quando passa pelo segurança e as aranhas, que vão se desfazendo em pó.

“Por que elas são feias, cheias de pernas e cabeludas?” Responde Pesadelo. “Pelo menos é o que eu acho depois de tantos anos materializando o medo alheio.”

Os três se encaminham até a final do corredor se deparando com a entrada do laboratório.

“Certo.” Começa Pesadelo. “Portal quero que você tire todas as pessoas que estão presas aqui e as levem para frente da Bay... Energia, quero que você destrua todo o laboratório e depois vai se encontrar com Portal... Se eu não aparecer em até 35 minutos quero que saiam...”

Portal corre para as escadas que levam para a pequena prisão, Energia fica parado olhando para Pesadelo.

“É para hoje Energia!”

“E você?...”

“Eu vou para sala de computadores... apagar as CPUs...”

“Hacker pode fazer isso, bem melhor de onde ele está do que você....”

“Apenas obedeça as ordens!”

Energia bate continência. “Sim senhor, senhor!...”

-x-x-x-

O cheiro de defecação humana invade o nariz de Portal, se dependesse dela, ela se tele-transportaria para um lugar bem mais agradável... Ou pelo menos para um banheiro onde ela pudesse vomitar.

“Alá me dê forças.”

Ela se apóia na parede e caminha pela galeria mal iluminada, vendo milhares de pessoas pedindo por ajuda.

“Tudo bem gente... Eu vou tirar vocês daqui...”

“Parada!” Um grupo de seis guardas fala, apontado as armas para ela.

“Vão embora, eu só quero tirar essas pessoas daqui.”

Mas eles não escutam e disparam, mas nenhuma bala atinge-a. Portal foi rápida o bastante para criar um portal a sua frente e outro nas suas costas, levando as balas que iam em sua direção direto para a parede.

“Mas o que?” Um dos guardas pergunta recuando.

Um portal surge ao pé de Latifa, fazendo-a cair, mas os seguranças nem tem tempo de pensar para onde ela foi, já que ela cai do teto, em cima de um deles e derrubando outros três com golpes rápidos. Um dos guardas corre em direção a porta enquanto o outro começa a lutar com Portal. Mas ela é bem mais treinada que ele e, em poucos segundos, ele está no chão inconsciente.

O último segurança corre tentando fugir da mulher, mas uma luz o faz parar no meio do caminho.

“Eu falei que eu só queria tirar as pessoas daqui...” Portal fala na aparecendo na frente dele. “Quero que você me responda com toda a sinceridade que existe....”

“Se eu responder você me deixa ir embora?”

“Claro... Temos um acordo?” Ela vê o homem balançar a cabeça. “Tem mais alguém nesse prédio além dos prisioneiros?”

“Uma das cientistas está... está aqui...”

“Onde?”

“Na sala dos computadores...”

“Obrigada...” Ela vê o homem se encolher enquanto ela passa por eles “Você pode ir embora agora...” Ela nem precisa olhara para trás para saber que o homem saiu correndo, tem coisas mais importantes a fazer, mas... “Pesadelo... Assim que eu libertar essa pessoa eu vou te ajudar, amigo.”

-x-x-x-

Milhares de bola de energia se espalham por todos os cantos do laboratório, destruído todas as amostras do soro, e todas as outras experiências que pode haver nesse lugar.

Energia sente o cheiro de fumaça e olha para os detectores, quebrando-os antes que possas ligar os extintores. Ele quer que o fogo se espalhe, destrua a estruturas desse prédio fazendo ele ruir. Ele se dirige a escada que leva a prisão quando sente uma mão no seu ombro, ele se prepara para atacar.

“Calma, Energia, sou eu...” Portal fala olhando o estrago. “Vai levar um bom tempo para reabrirem esse lugar.”

“Se depender de mim não abre nunca mais... Mas você já levou todo mundo para fora?”

“Sim... E Fúria e uma bancada de outros jornalistas já estavam lá... deixei uma copia do cd com eles.”

“Agora é só esperar Pesadelo não é?...”

Portal fica alguns segundos caladas olhando o fogo. “Não... vamos trás dele.”

-x-x-x-

Ela tem os olhos azuis, o cabelo ruivo e a pele muito branca. Mais rápido que pode ela recolhe o ultimo Cd do computador. A chefa dela bem que falou para não levar copia de um documento tão importante para Austrália, deveria deixar na base, mas...

Se o plano estiver certo o espécime logo estará nas mãos da Fundação e poderiam estudá-lo de forma perfeita, pelo menos é o que sua mestra, chefa, mentora e deusa, quer... Ter ele novamente em suas mãos.

Ela guarda o Cd na blusa e se prepara para sair quando a sala a sua volta se transforma num espaço negro, apesar de tudo ela sorri ao ouvir a voz do X-Premier.

“Nada disso, my lady, eu vim exatamente buscar o que você guardou no seu bolso.” Pesadelo fala.

“Ora... que interessante... E quem avisou o senhor que eu tinha alguma coisa aqui, senhor Pesadelo?”

Ele olha desconfiado. “Estou em desvantagem, você sabe meu nome... E eu não sei quem você é...”

“Íris... Minha senhora avisou a você que eu teria a ficha dele bem aqui... Deixa ver se eu entendi... Você recebeu uma ‘ligação’ do inimigo e não falou para ninguém...” Ela dá uma risada. “Realmente odeia ele não é?”

Pesadelo se concentra em Íris tentando entra na mente dele e materializar qualquer lembrança da ficha.

Ela ri docemente antes de apontar para a própria cabeça. “Tentando entrar aqui?... Boa sorte, nem Xavier conseguira.”

“Quem é você?”

“Eu sou Íris...” Os olhos dela brilham e o corpo de Pesadelo é empurrado com tamanha força contra a parede que ele a travessa. “Conversamos mais tarde... Pesadelo, querido.”

Pesadelo se levanta com dificuldade e quase cai, se Portal não tivesse segurado-o. “Pesadelo... O que houve?”

“NADA!” Ele responde com raiva. “Não falei para vocês me esperarem no laboratório?!”

“Calma, cara.” Energia fala. “... Ela só ficou preocupada.”

“Desculpa... Eu só...” Ele respira fundo. “Energia destrua todos os computadores e vamos dar o fora daqui!”

-x-x-x-

“Acabei de falar com Chris... Parece que fomos os segundos a terminar.” Portal fala sentando na sala de recreamento da base australiana, percebendo que Pesadelo tem os olhos fixos em Energia e Furia. “Eles fazem um casal bonito...”

“Por que eles não ficam juntos?”

“Talvez um dia... Talvez eles fiquem melhor apenas como bons amigos...”

“Essa ultima parte... Não é sobre Fúria e Energia, não é?”

“Por que não dormimos aqui e celebramos amanhã a primeira capa dos jornais?”

“Ta bom... Mas só porque é bom rir da cara da Fundação.”



Continua.....